segunda-feira, 11 de junho de 2007
NOSSA COMUNIDADE EM LUTA.
Por Salviano


Já há algum tempo estamos empenhados na luta contra as doenças conhecidas como L.E.R./D.O.R.T.. Cada um de nós, que é atingido por uma dessas doenças, sabe o quanto é difícil encontrar apoio. As histórias, invariavelmente, passam pelo mesmo enredo: Sensação de perda, apreensão, depressão, humilhações, descaso, abandono e preconceito.

Por não se tratarem de doenças “aparentes”, elas não transparecem para o observador desatento. Dentro dos próprios círculos médicos, existem profissionais mal preparados ou mal intencionados que usam esse aspecto da doença para tripudiar, humilhar e até auferir lucros com os doentes.

Todos sabemos que para muitos peritos do INSS, o juramento de Hipócrates deve ser chamado de “Juramento dos Hipócritas”; tal o desrespeito e o descaso com que nos tratam. Corruptos, se deixando usar por empresários inescrupulosos, aceitam propinas em troca da não concessão de benefícios acidentários que tanto oneram as empresas. Desleixados, alegam zelo profissional, ao taxarem indiscriminadamente os lesionados como mentirosos, ou “deitões”, para negarem benefícios ou darem prazos de afastamento pífios. Sendo eles, sabedores de que o período de recuperação (quando há) é longo e penoso. Tudo para obter benefícios salariais e gratificações do INSS.

Contra isso, resolvemos atuar junto ao Ministério Público Federal e a Procuradoria do Trabalho, solicitando que essa situação seja investigada. Pois a determinação de benefícios de auxílio doença ao invés de auxílio acidente, além de desrespeitar a determinação do governo do reconhecimento do nexo técnico epidemiológico, causa um verdadeiro saque aos cofres públicos.

Pois o benefício acidentário é mantido por um fundo próprio, oriundo das contribuições das empresas que lesionam os trabalhadores. Através de multas e de seguros que essas empresas são compulsoriamente obrigadas a pagar, esses recursos são destinados à recuperação e manutenção dos trabalhadores. Já o auxílio doença, sai dos cofres da previdência social; aumentando o “rombo” e tirando das costas das empresas inescrupulosas o ônus de contribuir a mais por seus crimes contra a saúde do trabalhador.

Essa luta, só será possível com o empenho de todos nós. Para isso, iniciamos uma petição eletrônica visando coletar um número suficiente de assinaturas (pelo menos 1000), como forma de pressionar os “órgãos competentes” a instaurarem o inquérito.

No entanto, as forças ocultas da desunião e do orgulho ferido, realizaram uma intensa campanha de difamação em várias outras comunidades do orkut e pela Internet. Com quais objetivos, desconhecemos. Pois achamos que esta luta é de todos nós. Quem já foi humilhado por um perito do INSS ou teve seu emprego ameaçado pelo não reconhecimento do nexo causal, sabe que do bom uso da lei depende nossas vidas.

Os documentos solicitados na petição são: Identidade e Carteira Profissional. Por que? Como se trata de um documento, que desejamos, tenha um cunho oficial; é necessário que comprovemos que as pessoas que ali assinaram existem e são usuárias do sistema previdenciário. Para isso os números dos documentos.

Há perigo? Faça você mesmo o teste. O primeiro nome da petição é o meu. Lá tem a minha identidade e minha carteira profissional. De posse desses números, tente obter um empréstimo, comprar um carro, ou tirar documentos. Se você conseguir...

Quando você passa um cheque, nele, estão contidas informações muito mais valiosas: A sua identidade, o seu CPF, seu tempo de conta e o número da mesma. Às vezes até seu endereço e telefone. Com esses dados, um criminoso consegue tirar a suas calças. Mas, você hesita ao emitir um cheque?

O sigilo é garantido pelo Ministério Público em caso de denúncias. Seu nome só será conhecido pelos promotores. Não tenha medo de lutar por seus direitos, junte-se a nós.

Tem medo de deixar seus dados na rede? Imprima a inicial da petição e assine-a em sua casa. Se desejar, circule-a pela sua família, parentes, amigos que tenham os mesmo problemas e parentes deles. Quando quiser, entre em contato conosco e forneceremos um endereço residencial para que você envie os papéis para nós.

Não se deixe levar por “falsos amigos” e pessoas que escondem seus verdadeiros objetivos, políticos ou não, por trás de conselhos aparentemente “bombásticos”, mas que na verdade nada fazem para te ajudar. O que eles querem é a segregação e o sectarismo entre nós. Pois assim, poderão posar de “unificadores”, “libertadores”, “bastiões de luta” e outras coisas mais. Usando você e seu sofrimento para seus fins políticos ou econômicos.

Como fazer? É fácil, veja:

Clique no link ao fim desta explicação. Após isso, você será direcionado ao site da petição. Ele está em inglês, porque o sistema é americano.

Lá você encontrará um link “click here to sign petition”, clique nele.

Será levado a uma página contendo os campos para você preencher:

"Name: (required) : COLOQUE SEU NOME

E-mail Address: (required) : COLOQUE SEU E-MAIL

Comentários: (optional) : NÃO É OBRIGADO PREENCHER ESSE CAMPO

Nome: (required): COLOQUE SEU NOME

Identidade: (required): Nº DA SUA IDENTIDADE

(required): COLOQUE O Nº DA SUA CARTEIRA PROFISSIONAL E A SÉRIE

DEPOIS: MARQUE, CLIQUE EM: "Available to Petition Author"

PARA CONFIRMAR SUA ASSINATURA,CLICA EM: "PREVIEW YOUR SIGNATURE"


PRONTO. VC JÁ TERÁ ASSINADO A PETIÇÃO



CLIQUE AQUI PARA ASSINAR

 
posted by Arthurius Maximus at 10:41 | Permalink |


1 Comments:


At 12 de junho de 2007 05:04, Blogger Reféns da LER/DORT

Amigos,
Desde ontem, 11/06/2007, estou deprimida, mais que o normal, devido a uma notícia que recebi de um grande companheiro que é membro da comunidade PETIÇÃO CONTRA ABUSOS DO INSS. Ele está internado, em UTI, em coma, devido a uma doença grave e 'até hoje' luta pela aposentadoria por invalidez. Quando será que respeitarão os nossos direitos? Quando? Peço desculpas... mas estou péssima com essa notícia.
Prefiro manter o sigilo pois não fui autorizada a divulgar mais detalhes...
Essa é apenas mais uma trite história de um trabalhador...
Nethe Acyolly

 
BlogBlogs.Com.Br